Ergonomia, Saúde e Segurança no Trabalho: Interseccionalidade com as Relações de Gênero

Mislene Aparecida Gonçalves Rosa, Raquel Quirino

Resumo


A preocupação com segurança, saúde e ergonomia no trabalho tem assumido relevância no ambiente industrial, devido ao elevado número de acidentes e doenças relacionadas à atividade produtiva. O objetivo deste artigo é apresentar reflexões sobre a evolução das práticas de segurança, saúde no trabalho ressaltando importância da Ergonomia no sentido de melhorar as condições de trabalho. O artigo será desenvolvido considerando as Relações Sociais de Sexo/Gênero, na perspectiva da mulher trabalhadora em áreas industriais. Justifica-se tal recorte a partir da constatação que a classe operária tem dois sexos e, tal afirmação contraria a tendência padrão de apresentar uma imagem de classe operária relativamente homogênea, masculina e branca. As condições de trabalho dos trabalhadores e das trabalhadoras são quase sempre assimétricas, portanto analisá-las em termos de unidade de classe operária sem considerar o sexo/gênero poderá levar a um conhecimento falso das relações de trabalho. A partir do método dialético, busca-se construir a síntese a partir da relação de tensão, contradição e antagonismos entre os grupos sociais formados por homens e mulheres no ambiente de trabalho.


Palavras-chave


Ergonomia, Relações de Gênero, divisão sexual do trabalho.

Texto completo:

PDF

Referências


ABERGO, A. certificação do ergonomista brasileiro. Editorial do Boletim, v. 1, 2000.

ANTUNES, Ricardo. Os Sentidos do Trabalho. Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 1999.

BOTELHO, Isabella Vieira. Segurança no trabalho: Atuação preventiva e repressiva do direito. 2011. Dissertação (Mestrado em Direito) - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

BRANDÃO, Cláudio. Acidente do trabalho e responsabilidade civil do empregador. 2. ed. São Paulo: LTr, 2006.

BRASIL. Ministério do Trabalho (MT). Manual de Aplicação da Norma Regulamentadora nº 17. 2 ed. – Brasília: MTE, SIT, 2002.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Previdência Social. Portaria MTPS nº 3.751, de 23 de novembro de 1990. NR-17 Ergonomia. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 26 nov. 1990. Disponível em: . Acesso em: 1O outubro 2016.

CHAGAS, Ana Maria de Resende; SALIM, Celso Amorim; SERVO, Luciana Mendes Santos. Saúde e segurança no trabalho no Brasil: aspectos institucionais, sistemas de informação e indicadores. 2011.

DANIELLOU, François et al. A ergonomia em busca de seus princípios: debates epistemológicos. São Paulo: Edgard Blücher, 2004.

DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. A situação do trabalho no Brasil na primeira década dos anos 2000. São Paulo: DEESE, 2012.

DUTRA, Luiz Henrique Menegon; HAAS, Rafael Ody. Um olhar reflexivo sobre o adicional de insalubridade. Anais do Salão de Ensino e de Extensão, p. 150, 2015.

ENGELS, Frederick. A origem da família, da propriedade privada e do Estado. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1977.

FERREIRA, Leda Leal. Sobre a Análise Ergonômica do Trabalho ou AET. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 40, n. 131, p. 8-11, 2015.

GONÇALVES Irlen; LIMA, Junia; Fiandeiras E Tecelãs: O Cotidiano De Operárias Têxteis Fabris Em Minas Gerais No Final Do Século XIX–Um Estudo Na Cia. De Fiação E Tecidos Cedro E Cachoeira (1872-1930). In: Anais do XIV Seminário sobre a Economia Mineira. Cedeplar. Universidade Federal de Minas Gerais, 2010.

HIRATA, Helena; KERGOAT, Danièle. A classe operária tem dois sexos. Estudos Feministas, v. 2, n. 3, p. 93, 1994.

HIRATA, Helena. Reestruturação produtiva, trabalho e relações de gênero. Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho 1998.

HIRATA, Helena. Nova Divisão Sexual do Trabalho? Um olhar voltado para a empresa e a sociedade. São Paulo: Boitempo, 2002.

HIRATA, Helena. Por quem os sinos dobram? Trabalho e Cidadania Ativa para as Mulheres, p. 15, 2003.

HIRATA, Helena. O universo do trabalho e da cidadania das mulheres: um olhar do feminismo e do sindicalismo. Reconfiguração das relações de gênero no trabalho. São Paulo: CUT, p. 13-20, 2004.

HIRATA, Helena; KERGOAT, Danièle. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de pesquisa, v. 37, n. 132, p. 595-609, 2007.

IIDA, I. Ergonomia: projeto e produção. São Paulo: Edgard Blücher, 2005.

KERGOAT, Danièle. Em defesa de uma sociologia das relações sociais. Da análise crítica das categorias dominantes à elaboração de uma nova conceituação. In: KARTCHEVSKY-BULPORT, Andrée et. al. O Sexo do Trabalho. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

LAVILLE, Antoine. Ergonomia. Epu, 1977.

LIMA, Francisco de Paula Antunes. Novas tecnologias construtivas e acidentes na construção civil: o caso da introdução de um novo sistema de escoramento de formas de laje1. RBSO, v. 32, n. 115, p. 53-67, 2007.

LIMA, Francisco de Paula Antunes. Ergonomia, ciência do trabalho, ponto de vista do trabalho: a ciência do trabalho numa perspectiva histórica. Revista Ação Ergonômica, v. 1, n. 2, 2011.

NEVES, Ilidio Roda. LER: trabalho, exclusão, dor, sofrimento e relação de gênero. Um estudo com trabalhadoras atendidas num serviço público de saúde. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 22(6):1257-1265, jun, 2006.

OLIVEIRA, Paulo Antônio Barros. Ergonomia. IN: CATTANI, Antônio David (org) Trabalho e Tecnologia: dicionário crítico. Porto Alegre: Vozes, 1997.

PASCHOARELLI, Luís Carlos; SILVA, José Carlos Plácido da. A evolução histórica da ergonomia no mundo e seus pioneiros. 2010.

QUIRINO, Raquel. Mineração também é lugar de mulher! Desvendando a (nova?!) face da divisão sexual do trabalho na Mineração de Ferro. 2011. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, Brasil.

RAMAZZINI, Bernardino. As doenças dos trabalhadores [texto] / Bernardino Ramazzini; tradução de Raimundo Estrêla. – 4. ed. – São Paulo: Fundacentro, 2016.

SANTOS, Alcinéa Meigikos dos Anjos et al. Introdução à higiene ocupacional. São Paulo: Fundacentro, 2004.

SILVA BAU, Lucy Mara. Fisioterapia do trabalho: ergonomia, legislação, reabilitação. Curitiba: Clãdosilva, 2002.

SILVA, José Antônio Ribeiro de Oliveira. A saúde do trabalhador como um direito humano. Revista do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, 2007.

TOLEDO, Cecília. Mulheres: o gênero nos une, a classe nos divide. 2 ed. São Paulo: Sundermann, 2008.

VIDAL, Mario Cesar. Introdução à Ergonomia. Grupo de Ergonomia e Novas Tecnologias CESERG - Curso de Especialização Superior em Ergonomia. Rio de Janeiro, 2010.

VIEIRA, Carlos Eduardo Carrusca; BARROS, Vanessa Andrade; LIMA, Francisco de Paula Antunes. Uma abordagem da Psicologia do Trabalho, na presença do trabalho. Psicologia em Revista, v. 13, n. 1, p. 155-168, 2007.

VIEIRA PINTO, Álvaro. O Conceito de Tecnologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005.

WACHWICZ, Lílian Anna. A dialética na pesquisa em educação. Revista Diálogo Educacional, PUCPR, v. 2, n. 3, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


-------------------------------------------------------------------------------

Revista de Ciência, Tecnologia e Humanidades do IFPE (CIENTEC)
revistas.ifpe.edu.br
e-ISSN 1984-9710
ISSN 1984-7300

 

Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco
Av. Prof Luiz Freire, 500 Cidade Universitária - Recife/PE - CEP: 50740-540
http://reitoria.ifpe.edu.br/

 

Fone: +55 81 21251691
cientec@reitoria.ifpe.edu.br