Sistema de tratamento de esgoto doméstico em condomínio horizontal e reúso de águas cinzas.

Camila Guedes Alcoforado, Ronaldo Faustino da Silva

Resumo


As novas tecnologias sustentáveis que amenizam a falta de recursos hídricos devem ser desenvolvidas conforme as necessidades da sociedade atual. Como os modelos habitacionais horizontais estão em tendência no estado de Pernambuco, foi proposto o reúso de águas cinzas objetivando a redução do volume de esgoto tratado e consequentemente dos equipamentos da estação de tratamento proposta pela construtora. Para concepção do trabalho foram realizadas visitas à obra e coleta de informações necessárias para descrição e redimensionamento da ETE. O tratamento por leito de macrófitas, sugerido para as águas cinzas foi o apresentado com base no projeto desenvolvido pelo SARAR, organização não governamental do México.  E para redimensionar a ETE foram utilizadas a norma da ABNT e a bibliografia específica para projetos de tratamento de águas residuárias. Desse modo, com a introdução do sistema de reúso obtemos a redução de efluente total de 41,43% à 45,3%, já, nos equipamentos da estação houve em geral a redução em um módulo para cada equipamento. Analisando então tecnicamente e ambientalmente obtemos grandes economias para construtora, para os usuários que economizam individualmente de 60% a 70% de água potável, e principalmente para a sociedade que carece da preservação dos recursos hídricos.

Palavras-chave


Sustentabilidade; saneamento; água cinza.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 12209: Elaboração de projetos hidráulicos-sanitários de estações de tratamento de esgotos sanitários. Rio de Janeiro, 2011.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 12209: Projeto de estações de tratamento de esgotos sanitários. Rio de Janeiro, 1992.

SARAR. Manejo de Agua Jabonesa. Disponível em: < Jacinto http://www.sarar-t.org/index.php/sistemas/manejo-de-agua-jabonosa >. Acesso em: 09 de set. 2015.

BUENFIL, J. GREYWATER MANAGEMENT. 03. Mar. 2009. 34 transparências. Transparência apresentada no International course on ecological alternatives in sanitation.

BUENFIL, J. LA JARDINEIRA QUE FILTRA LAS AGUAS GRISES PARA RECICLARLAS. Instrumientos educativos para el saneamiento ecológico. Morelos, 2005. Disponível em: http://www.sswm.info/sites/default/files/reference_attachments/BUENFIL%20La%20Jardinera%20que%20Filtra%20las%20Aguas-SPANISH.pdf. Acesso em 03 jun. 2015.

BULLER, L. S.; TEXEIRA, M. B.; ORTEGA, E., Wetlands naturais e construídas para tratamento de resíduos da suinocultura. In. SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS AGROPECUÁRIOS E AGROINDUSTRIAIS, 2. 2014, Campinas, São Paulo, 2014.

ESTRUTURA TARIFÁRIA COMPESA. Mai, 2015 disponível em Acesso em: 22/08/2015

DIELLE. E. F., Estudo da nova norma brasileira de projeto de estação de tratamento de esgoto – NBR 12.209/2011. Trabalho de conclusão de curso (Especialização em Engenharia Sanitária e Ambiental) – Universidade Federal de Juiz de Fora, UFJF, Juiz de Fora, 2014.

FAEDO, A. M. Tecnologias convencionais e novas alternativas para o tratamento de efluentes domésticos. 2010. 38 f. Trabalho de conclusão de curso (Especialização em Engenharia do controle da poluição ambiental) - Universidade do Sul de Santa Catarina, UNISUL, Florianópolis, 2010.

FERREIRA, M. M.; SARON, A. Estudo da eficiência do tratamento de esgoto doméstico por sistema de wetland de fluxo vertical descendente para ser aplicado em comunidades isoladas estação de tratamento em escala de laboratório. InterfacEHS. São Paulo, v. 8, n. 1, p. 127-149. 2013.

GONÇALVES, R. F. et al. Pós-tratamento de efluentes de reatores anaeróbios por reatores com biofilme. In: Pós - Tratamento de Efluentes de Reatores Anaeróbios. Belo Horizonte: PROSAB, 2001. Cap 4, p.171-271.

LEME, E. J. A. Manual Prático de Tratamento de Águas Residuárias, 1. Ed. São Paulo: Edufscar, 2010. 595 p.

LANNA, A.E. Economia dos recursos hídricos. Texto de referência da disciplina de Economia dos Recursos Hídricos no programa de pós-graduação em Recursos hídricos e saneamento ambiental- Universidade Federal do Rio Grande do Sul. UFRGS, Porto Alegre, 2001.

REBELO. M. M. P. S., Caracterização de águas cinzas e negras de origem residencial e análise da eficiência de reator anaeróbio com chicanas. Dissertação (Pós-Graduação em recursos hídricos e saneamento) – Universidade Federal de Alagoas, UFAL, Maceió, 2011.

SABESP– Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo. NTS 181 Dimensionamento do ramal predial de água, cavalete e hidrômetro – Primeira ligação. 2012.

SACCON, S., Uso de leitos cultivados com macrófitas no estudo da eficiência do tratamento de águas cinzas. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Engenharia Ambiental) – Faculdade Dinâmica de Cataratas, UCD. Foz do Iguaçu, PR, 2009.

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. SINAPI, 2015. Disponível em:< http://www.caixa.gov.br/Downloads/sinapi-a-partir-jul-2014-pe/SINAPI_Preco_Ref_Insumos_PE_092015_NaoDesonerado.pdf> . Acesso em: 30 out 2015

MAY, S. Caracterização, tratamento e reúso de águas cinzas e aproveitamento de aguas pluviais em edificações, 2009, 200 f. Tese (Doutorado em Engenharia) – Escola Politécnica de São Paulo, São Paulo, 2009.

MENEZES, S. C.; FILHO, F.J.C.M; PAULO, P.L., Quantificação de águas residuárias para reúso na perspectiva do saneamento. In. SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HÍDRICOS, 19. 2011, Maceió, Alagoas, 2011

MOTTA, R. S., Manual para valorização econômica dos recursos ambientais. Rio de Janeiro: IPEA/MMA/PNUD/CNPq, 1992. 242 p.

TONIATO, J.V. Avaliação de um wetland construído no tratamento de efluentes sépticos – estudo de caso Ilha Grande, Rio de Janeiro, Brasil, 2005, 95 f. Dissertação (Mestre em Ciência) - Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Jeneiro,2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


-------------------------------------------------------------------------------

Revista de Ciência, Tecnologia e Humanidades do IFPE (CIENTEC)
revistas.ifpe.edu.br
e-ISSN 1984-9710
ISSN 1984-7300

 

Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco
Av. Prof Luiz Freire, 500 Cidade Universitária - Recife/PE - CEP: 50740-540
http://reitoria.ifpe.edu.br/

 

Fone: +55 81 21251691
cientec@reitoria.ifpe.edu.br